Convivência para esclarecer o HIV

Por Nathan Lopes

Uma casa para abrigar crianças órfãs portadoras de HIV. Essa ideia foi colocada em prática, no ano de 1994, pelo Padre Valeriano Paitoni, da Igreja Nossa Senhora de Fátima, na zona Norte de São Paulo. A Casa Siloé, como se chama a residência, foi criada, na área da igreja, no momento em que o preconceito contra pessoas que possuem o vírus era grande.

O padre precisou mostrar para a comunidade do Imirim, bairro paulistano onde fica a igreja, o que é o HIV. Foi assim que Alaíde Gil, frequentadora das missas de Paitoni, virou uma voluntária do projeto.

Quatro anos depois, uma casa só era pouco. O Lar Suzanne foi erguido, através de doações, a alguns metros da Igreja Nossa Senhora de Fátima. A história do lar está nesta reportagem, Convivência para esclarecer o HIV, feita em maio de 2010. Nela, você vai conhecer a história de Marília, moradora do Lar Suzanne, e Ângelo.

Hoje, são três casas de apoio não só a crianças, mas também a jovens portadores do HIV. Afinal, com os avanços na Medicina, eles podem ter uma melhor qualidade de vida. Além da Casa Siloé e do Lar Suzanne, foi inaugurada a Vila Vitória, também bem próxima à igreja.

Depois de mais de 15 anos da inauguração da primeira casa, a população do bairro do Imirim perdeu os preconceitos em relação aos portadores de HIV.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cidades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s