Para lembrar o grito

Por  José Roberto Gomes Júnior

Foto: Fernanda Patrocínio

            Erguendo-se na esquina das ruas do Comércio e XV de Novembro, região central da capital paulista, o prédio da Bovespa, a Bolsa de Valores de São Paulo, é só mais um edifício que compõe a selva de pedras da maior cidade do país. Para um desavisado, a construção de 10 andares de feições neoclássicas abriga, no seu interior, a gritaria, as gesticulações frenéticas das mãos dos operadores e, claro, o stress. Engana-se quem ainda cultiva essa noção. Basta passar sob as três bandeiras (do Brasil, do estado de São Paulo e a da instituição), que tremulam na entrada principal, para perceber que os tempos mudaram. 

            Não nos referimos à recente fusão entre a Bovespa e a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), anunciada em março de 2008, mas sim à implantação do pregão eletrônico, ocorrida ainda em 1997, que fez com que o tumulto de outrora desse lugar a um silêncio inimaginável tempos atrás. O recinto onde eram realizadas as negociações viva-voz (o termo técnico – e polido – para se referir aos gritos dos operadores) modificou-se substancialmente, embora ainda mantenha resquícios de seu passado barulhento: há as salas das corretoras, uma mesa de operações, um quadro no qual se deslocam, uniformemente, o preço das cotações e, obviamente, os famosos painéis coloridos pelo verde, amarelo e vermelho, que indicam o sobe e desce das ações. Hoje, não precisa ser um engravatado de uma corretora para entrar no prédio. Basta chegar à recepção e dizer: “Gostaria de conhecer o Espaço Bovespa”. 

 

Espaço Bovespa: antigo local do pregão

 

            Integrando o programa de popularização da Bolsa, esse Espaço procura colocar o público em geral dentro do universo do mercado acionário. O local agora conta com atrações que vão de um tecnológico cinema 3D até um Centro de Memória, um verdadeiro labirinto azul repleto de objetos e vídeos que contam a história da instituição em etapas, seguindo os passos de quem o visita. Não se deve esquecer da já mencionada mesa de operações, cravada no centro do recinto sob quatro painéis que indicam o humor da economia nacional e mundial. 

            É perceptível que a importância do lugar não se restringe somente ao fato de ser um reduto para o descanso – mesmo que momentâneo – do apressado paulistano que corre pelas ruas de paralelepípedo do centro da cidade. De fato, com o Espaço Bovespa, a Bolsa de Valores almeja reverter o pouco interesse do brasileiro para com o mercado acionário. “No Brasil, somente 7% da população investe na Bolsa, ao passo que nos Estados Unidos, por exemplo, essa marca chega a quase 50%”, estima Rui Paranhos, economista, funcionário do Espaço e ex-operador, que não grita mais com um telefone colado ao ouvido, mas que responde calmamente às perguntas dos visitantes do local. 

            Para a maioria dos que vão ao Espaço Bovespa, seja para uma simples passada de olhos nos números do dia, seja para se sentar nas macias poltronas azul-escuros que se espalham pelo Café, outra atração do ambiente que, agora, ocupa salas de antigas corretoras, a opinião é unânime: o Espaço Bovespa é um eficiente mecanismo para a popularização da instituição. “O Espaço é bom, pois as pessoas podem ver de perto como funciona o mercado e quem o visita se apaixona por ele”. Essa é declaração, por exemplo, de Donizetti Marques, agente autônomo de investimentos e uma das pessoas que visita o antigo recinto do pregão. Já para o economista e editor de investimentos da revista Infomoney, é uma conjunção de fatores. “O lugar ajuda a manter viva a história da Bolsa, permite uma maior aproximação e eleva a instituição também. Uma coisa meio natural mesmo”. 

            O Espaço Bovespa é todo adornado por dezenas de quadros de fundo branco que estampam logotipos de empresas que tem ações na Bovespa, formando uma espécie de “coroa” sobre o local. Acima disso, há uma parede de vidro que pode, à primeira vista, parecer acessível somente a empresários, presidentes de organizações ou aos seguranças de terno preto, que desfilam olhando a movimentação abaixo. Mais uma vez, engana-se quem cogitou essa hipótese. 

            Com os programas e cursos oferecidos pela instituição, é possível subir pelas escadas de mármore italiano aos andares superiores, onde aqueles são realizados, e observar panoramicamente o recinto do antigo pregão viva-voz. “Nós temos o ‘Mulheres em ação’, o Instituto Educacional, o ‘Em boa companhia’, o ‘BM&FBovespa vai até você’, entre outros, que ajudam o investidor iniciante a lidar com o mercado acionário”, explica enfaticamente Agnaldo Silva, outro economista e funcionário do edifício. 

            Primeiro passavam coronéis e cafeicultores donos de enormes glebas de terra. Depois, industriais que faziam São Paulo se tornar a principal cidade do país. Em seguida, operadores, responsáveis pelo elo entre a Bolsa e os acionistas. E agora, qualquer pessoa tem acesso a um prédio no qual se guarda boa parte da história econômica brasileira. Esses personagens mencionados não passaram pelo mesmo prédio – afinal o que se ergue, atualmente, na Rua XV de Novembro data da década de 1940. Mas todos foram responsáveis por importantes negociações, realizadas no “gogó”, como disse Rui Paranhos. Cabe a nós hoje, portanto, lembrar essa época dos gritos.

BlogBlogs.Com.Br

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cidades

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s